22/11/2012  -  11h52min
Tamanho do Texto   
CALDAS COUNTRY: do jeito que o “diabo gosta” – Por Carlos Terceiro

É bom deixar bem claro que a maioria dos baderneiros é originalmente da cidade de Brasília. Pouco se viu, os nativos tocando o terror.

 
É importante dizer aos pais de todo o país que jamais permitam que seus filhos participem do evento Caldas Country na cidade de Caldas Novas em Goiás. Na verdade, o povo pacato daquele lugar não merece tanta falta de respeito por parte dos organizadores do evento.
 
Imagine o leitor, uma cidade que tem como atração turística os excelentes hotéis e as águas termais e, passa a ser conhecida em um passe de mágica como a cidade dos crimes mais absurdos do mundo?. Qual é a família que quer freqüentar uma cidade dessa?.
 
Nesse último festival demoníaco, realizado no período de 16 a 17 de novembro aconteceu de tudo: menores usando drogas, bebidas alcoólicas, sexo explícito, muita briga, assassinato, vandalismo com carros depredados e queimados, parecia o inferno se alguém consegue imaginar a existência dele. Nessa festa o diabo dominou.
Dentro da arena do show foi um festival de desorganização: faltou luz no palco, atrasos, funcionário queimado pelos fogos de artifício, sem contar as caixas de som fazendo um barulho infernal.
 
Os artistas que se apresentaram, não têm culpa, evidentemente, mas, o Caldas Country tem tudo para acabar.
 
O Poder Público contribuiu para o festival do terror com a prevaricação. Onde anda o Ministério Público do Estado de Goiás?. Por que não se mostrou presente com os jovens, a quem tem obrigação Constitucional de resguardar, que ficaram à mercê dos “Caubóis de araque” que foram não para assistirem shows, mas, para transformarem aquela bela cidade em “Sodoma e Gomorra”.
 
É bom deixar bem claro que a maioria dos baderneiros é originalmente da cidade de Brasília. Pouco se viu, os nativos tocando o terror.
 
A Polícia Militar daquele estado tem a sua parcela de culpa quando permitiu que os carros que desfilavam nas avenidas fossem transportados por bêbados e superlotados de pessoas nas portas e em cima dos veículos de maneira irresponsável.
 
O hoteleiro, empresário e comerciante, juntamente com a sociedade organizada de Caldas Novas não pode e não deve mais permitir que esse “festival” aconteça na cidade.
 
Quem quiser se atrever a perguntar a qualquer morador de Caldas o que eles pensam sobre essa festa aterrorizante, vai ouvir como resposta que eles não querem mais esse tipo de evento que dá lucro apenas para alguns organizadores do setor privado que se utilizam o Poder Público para se locupletarem. É o chamado lucro que dá prejuízo.
 
Caldas é conhecida como o paraíso dos aposentados e das famílias que buscam paz e descanso e não baderna ou “esbórnia”.
 
Lamentamos profundamente pelas pessoas que morreram naquele lugar, nos solidarizamos com suas famílias e aproveitamos para exigir do Ministério Público providências urgentes para salvaguardar os interesses da sociedade de Caldas Novas, sob pena de ser acusado por conivência e prevaricação.
 
 
Carlos Terceiro é Jornalista, Pedagogo, Psicopedagogo, Filósofo e Bel. em Direito.
 
 
 
Fonte: Carlos Terceiro

 COMENTÁRIOS »

© 2005 - 2013 - Todos os direitos reservados a Na Hora Online Jornal Eletrônico Comércio e Serviços de Informática Ltda ME
Editor: Carlos Terceiro de Medeiros, Registro Profissional, SRTE-RO 325
E-mail: redacaonahoraonline@hotmail.com / nahoraonline@gmail.com / carlos.terceiro@bol.com.br